segunda-feira, 21 de agosto de 2017

encontro de utopias: lançamento do oliveiras blues


estive sábado passado no sarau encontro de utopias, no centro cultural de são paulo, da minha amiga regina tieko, para mais um lançamento do meu livro/cd "oliveiras blues".
estive lá com dona sueli kimura e com minha comadre rosinha morais, poeta da raça dos baitas e integrante da trupe do "casa amarela em cena", que me ajudou de forma emocionante em performance de leitura de alguns poemas do livro e a quem deixo aqui a minha gratidão pelo apoio e fortalecimento.
deixo também minha gratidão eterna para a regina tieko e todos os organizadores do encontro de utopias pela acolhida tão gentil e pela amizade afetuosa e inesquecível.
muito obrigado.






jardim de hideko 37


investigo os caminhos
que possam ter sido deixados
por hideko antes de partir
para que eu os conhecesse
com meus olhos de velho

sou apenas um menino
não suporto mais esta vida
de manhãs claras
e pássaros imbecis
cantando no jardim

akira - 16/08/2017.


casa amarela em cena: melancia


casa amarela em cena: clóvis


poema / presente que ganhei de monique franco


Mais uma vez Akira ou felizidade
ontem dormi com Akira
estava frio e me esquentou
fiquei me aquecendo nas letras, rimas, sinas
que tão bem ele revelou
Oliveira Blues
o céu azul estrelou
quando acordei dei por mim
cantarolando alegria
mesmo que quase um fado
por vezes quase um fardo
do poema se ouvia
mas eu sabia
era assim
que com mestre se aprendia
fazer da vida sublime poesia.

Monique Franco, poema escrito após a leitura de ´Oliveira Blues`, maio de 2017

casa amarela em cena: dedo mole


poema / presente de aniversário que ganhei de wander porto


___ AKIRA ___
(Uma cantiga para Akira)
I-
Dentro do novo,
De pipas e gudes,
Ingênuo,
Vai o akira,
Criança audaz
Que o susto da vida,
Feroz,
Insiste em parar:
-Na infância,
Uma mochila de labaredas;
II-
Dentro dos olhos
De meios e metas,
Valente,
Vai o akira
Menino rapaz
Que o medo da vida,
Algoz,
Insiste em roubar:
-Nos ombros
Uma mochila de audácias;
III-
Dentro do tempo
De perdas e ganhos,
Composto,
Vai o akira
Homem capaz
Que a chave da vida,
Mordaz,
Insiste em trancar:
-No coração
Uma mochila de espantos;
IV-
Dentro da verve
De verbos e vozes
Crédulo,
Vai o akira
Poeta loquaz
Que o revés da vida,
Atroz,
Insiste em calar:
-Nos versos
Uma mochila de revoltas;
IV-
Invisível
Como sutura de ar
Trespassando a vida
E unindo as carnes,
Viaja o akira
No comboio das quimeras
Que o cotidiano da vida,
Falaz,
Insiste em brecar:
-Nos olhos
Uma mochila de incêndios;
V-
-Eis que o poeta akira
Escreve um verso de asas!-
VI-
E fazendo das léguas
Estradas de nós,
E fazendo das mágoas
Oceanos de voz,
Convoca a todos,
E todos chegados
Ensina-nos a voar,
Voar na frente,
Voar lá atrás,
Voar juntos,
Voar cantando atrelados
Um canto infinito
Que só o Finito nos traz.

wander porto - 08/08/2017.


puruba 4


estamos sós
temos um ao outro
e em comum lembranças navalhas
impiedosamente cortantes
dentro dos nossos olhos
estamos sós
temos um ao outro
e em comum o destino deste rio
que atravessa o sertão para acasalar
com outro rio diante do mar
estamos sós
temos um ao outro
e em comum as manhãs e noites
desse tempo de matanças que o capitalismo
promove como política estratégica de extermínio
para preservação do status quo dos que estão
no topo da cadeia alimentar
estamos sós
temos um ao outro
e em comum a floresta escura e imensa
com seus caminhos que contém
a sabedoria do mundo
que teremos que decifrar sozinhos
com nossos pés feridos e inchados
akira - 29/07/2017.




nenhuma palavra


tudo calado
tudo fechado
nenhuma luz
tudo inerte
tudo em branco
nenhum caminho
tudo deserto
tudo vazio
nenhuma palavra
nada dentro
nada fora
nenhuma palavra
nenhuma palavra
nenhuma palavra
nenhuma palavra
akira - 26/07/2017.
(p/ daniel lopes, autor do romance "no céu com diamantes", 
um dos livros mais foda que li nos últimos tempos)

mais um último domingo


um passe de cada vez
um drible de cada vez
um gol de cada vez
uma alegria de cada vez
um abraço de cada vez
uma cerveja de cada vez
uma vida de cada vez
uma morte de cada vez
um domingo de cada vez

akira - 23/07/2017.

sábado, 22 de julho de 2017

pipas


na amplidão e eternidade
do céu que separa
duas ruas no oliveiras
duelam dois meninos
enredadas no mesmo espanto
duas pipas com linhas de cerol
atacam uma à outra com seus arsenais
de cortes e amputações mútuas
num golpe mais de sorte que maestria
de um dos combatentes destemidos
uma delas é morta sem submissão
e seu umbilical cordão decepado
tinge o vento de vermelho
mas nem um minuto depois ressuscita
nas mãos de outro menino veloz
que o busão na marechal quase atropela
:- seu moleque filho da puta
o estrondo do berro colérico do motorista
atravessa o oliveiras de ponta a ponta
então frágil mas teimosa
a poesia nasce novamente
o céu foi seu útero
seu berço é o vento
akira - 22/07/2017.

58º sarau da casa amarela


vem aí o 58º sarau da casa amarela
(junto com a festa dos leoninos do mpa)
data: 12/08/2017 - sábado
horário: a partir das 15h
programa:
1. almoço às 12h
a) os comes ficam por conta do edsinho e
os bebes faremos um rateio após a festa;
b) importante: favor confirmar presença - tipo "eu e mais uma pessoa", "eu e mais duas pessoas" e etc, etc, para definição da quantidade de comida a ser preparada
2. sarau a partir das 15h
local: sítio do edsinho
estrada da grama - são roque
(siga as instruções olhando o mapa anexo: entre no km 58, não no 54, da castelo branco em direção a sorocaba, faça o retorno sobre o viaduto e siga à direita na estrada do saboó por uns 5km, estrada agora toda asfaltada; passando pelo condomínio "ninho do condor" haverá duas descidas acentuadas e no final da segunda descida, uma curva acentuada à direita onde há uma estrada de terra à esquerda - referência / ponto de ônibus coberto -, chamada "estrada da grama"; siga por mais 500m e haverá um portão com cobertura de telhado à esquerda, onde é o local do evento).
convidados especiais:
. carloz torres (exposição e venda de livros da editora essencial)
. deise capelozza & joão emílio
. edvaldo santana
traga sua poesia e sua canção
traga sua alegria e sua emoção
palco livre e microfone aberto
quem vier será bentivindo




casa amarela em cena no amparo literário


alba atróz, meu amigo querido
esta é mais uma das situações em que por mais
que procuremos ficamos sem ação nem palavras
para agradecer tanta hospitalidade carinhosa com
que fomos recebidos sábado passado no projeto
amparo literário, eu e meus companheiros da casa
amarela, para divulgar o livro/cd "oliveiras blues".
você tem total razão, meu amigo, foi um momento
emocionante e inesquecível diante do qual tenho
apenas duas palavras simples - as mais clichê do
vocabulário humano, mas sinceras para retribuir
o seu afeto e amizade: muito obrigado.
akira - 13/07/2017.
"C.A EM CENA no amparo literário
O "Casa Amarela Em Cena" esteve no palco do Amparo Literário - Sarau Simpósio de Artes Integradas e deu um show de interpretação na adaptação teatral de textos de "Oliveiras Blues", obra de Akira Yamasaki, poeta que tem participação especial, principalmente na hilariante esquete do personagem "Dedo-Mole", muito bem interpretado pelo poeta e ator Manogon que deu vida a um sujeito que carrega dramas pessoais que contribuíram em sua formação criminosa e o motivaram a criar seus códigos de honra e éticas, intermediárias entre o crime e à comunidade do Itaim.

Resumindo, numa relação de respeito e pé atrás, o poeta Akira e "Dedo-Mole" acabam tendo uma estranha, perigosa e hilariante amizade, narrada por testemunhas oculares e parceiros de copo, figuras do imaginário de Akira e parceiros de rodadas de baralho nos bares do Itaim

Somos também impactados pela decadência de "Clóvis" na esquete dramática e com toques de humor presentes nas falas de cada componente da peça, sob a direção e apoio técnico de Sueli Kimura - numa forte e marcante atuação de Escobar Franelas, Rosinha Morais, Luciana Marques, Luka Magalhães e Henrique Vitorino.

Sensacional, principalmente, a cena de apogeu e queda estrondosa narrada por companheiros de trabalho e de vida. A atuação de Luciana Marques que interpreta a mãe de Clóvis (Escobar Franelas) ao correr aos prantos de encontro ao corpo do filho caído, morto, abandonado, enquanto soa a voz e o violão melodioso, triste de Henrique Vitorino, entre pausas onde surgem falas de Rosinha, Manogon e Luka, é de uma dramaturgia... Sensacional! Parabéns, C.A. Momento inesquecível!

Alba Atróz - 08 de julho de 2017.







57º sarau da casa amarela


casa amarela

quantas canções, quantos poemas?
quantos sorrisos, quantas emoções?
quantas palavras cabem na casa amarela?
quanto afeto, quanta ternura?
quantos abraços, quantos sonhos?
quantos poetas cabem na casa amarela?
quanta resistência, quantas utopias?
quanto amor, quantas estrelas?
quantos amigos cabem na casa amarela?
akira - 12/07/2017.


















akira: caricatura de onézio cruz



cão na coleira


tem esse tempo
que parece passar
sem sair do chão
tem essa dor
que dói domesticada
um cão na coleira
akira - 11/07/2017.

noite de luar


eu me perdi certa noite
no mar negro do seu olhar
nunca mais me encontrei
nunca mais quis voltar
me perdi para sempre
era noite de luar
caí um dia num riacho
faltou isso pra me afogar
não sou peixe nem navio
peguei trauma do mar
peguei medo da água
era noite de luar
eu não sou marinheiro
eu não sei nadar
eu não sou marinheiro
tenho medo de amar
akira – 08/07/2017.

57º sarau da casa amarela

cada sarau da casa amarela
é um acontecimento único e especial
que tem a peculiaridade de nunca se repetir
quantos saraus ocorram novamente
sempre fiel ao seu lema e conceito 
de celebração da arte, emoção e amizade
só para constar
domingo tem sarau da casa amarela
e quem vier será bentivindo


akira yamasaki no amparo literário


Com muita honra e orgulho, o "Sarau Simpósio de Artes Integradas - Amparo Literário" anuncia a vinda de Akira Yamasaki, um poeta mor, referência do circuito cultural brasileiro e não demorará para ter reconhecimento mundial entre os grandes nomes da poesia universal.
Grande ativista cultural, morador do bairro do Itaim Paulista, extremo leste de sampa, desde 1964, vindo de Osvaldo Cruz, cidade do interior paulista, onde nasceu em 08 de agosto de 1952, Akira, em 1978, foi um dos idealizadores e membro atuante do "MPA – Movimento Popular de Arte de São Miguel Paulista", movimento de resistência cultural que impulsionou decisivamente o desenvolvimento artístico e cultural do bairro até o ano de 1986. Nessa época também, participou da criação e atuou no "Núcleo Teatral Periferida". Já na Cia de Trens Metropolitanos de São Paulo - Metrô, onde trabalhou no período de 1987a 2017, idealizou e respondeu pelo projeto metroclube, que desenvolve atividades artísticas, culturais, recreativas e esportivas tendo como público alvo, metroviários e familiares. 

Akira também é membro atuante do ipedesh – instituto de pesquisa e desenvolvimento social e humano, idealizou e desenvolve o projeto memória musical e literária que tem por objetivo registrar em formatos de cd's, livros, vídeos e etc., obras de artistas desconhecido do grande público, da região de são miguel paulista.

No ano de 2011, o poeta foi um dos idealizadores e fundadores do "A casa Amarela - Espaço Cultural", espaço independente que desenvolve várias ações culturais, tais como, saraus, oficinas literárias, apresentações musicais e teatrais, palestras, debates e outros, para a população de São Miguel e arredores.

Humilde, Akira se define como um “bom poeta ruim”, sua poesia reflete o cotidiano da periferia e discute o homem simples e esmagado pelo anonimato na grande cidade. Assim, por conta desse viés, publicou em 2012 o seu primeiro livro/cd, o "bentevi, itaim" e agora em 2017 está lançando o segundo, o "Oliveiras Blues". - Uoooow!!!! - Imperdível! - 08 de julho de 2017.

Texto oficial: Akira Yamasaki, com um ou outro adendo pertinente de Alba Atróz.

domingo, 2 de julho de 2017

mariana


lembro mariana
no coice da rua
no meio da noite
totalmente nua
lembro mariana
no esgoto da rua
o banho noturno
no coice da lua
pobre mariana
a louca da rua
no coice da noite
se banhando nua
pobre mariana
na vala nua e crua
de vela minguava
demente a lua
akira - 01/07/2017.

sábado, 1 de julho de 2017

vira latas


um vira latas
de apenas três patas
me persegue feroz
seus dentes são raivosos
assim que ele me vê
pelas ruas do oliveiras
me ataca como se eu fosse
o culpado por sua sina
como se eu fosse
um sonho que passou
feito pássaro pelo tempo
que nunca existiu

sombras


tudo é ditadura
do fim nascido no começo
minha ternura mastiga
cabrestos ensanguentados
não há portas nem janelas
não há como ir nem voltar
pesada demais é a sina
de ter sombras nas mãos
a solidão é mar vasto
no deserto do meu rosto
suicida potencial nessa noite
minha palavra corre perigo
a morte mora no sonho
dos loucos e das crianças
só levanto voo depois
que o sangue coagula
akira - 25/06/2017.
(para fabiano sorbara)

ganhei um presente de rosinha morais


(para Akira Yamasaki)

Japa, meu compadre
Que cantos entoam
Os teus bentivis
Quando visitam
A periferia de ti?

Japa, meu irmão
Que grito ecoa
Da tua garganta
Quando tudo indica
Não haver salvação?

Japa, meu amigo
Quando nos teus pés
Brotam espinhos
É possível
Mudar os caminhos?

Rosinha Morais

quarta-feira, 7 de junho de 2017

daniel


o daniel lopes guaccaluz é um escritor da estirpe dos baitas, um puta dum escritor que enfia a faca bem fundo na ferida para retorcer o coração e as entranhas da dor.
arrisco dizer que o seu último livro, o "no céu com diamantes" é uma das maiores obras literárias que surgiram no país nos últimos tempos, tipo de livro que você lê numa tacada só, num vômito só, segurando o estômago embrulhado nas mãos.
tipo de livro que você termina de ler e fica suando gelado por vários dias.
pois bem, o daniel virá à casa amarela no sarau de domingo que vem onde lançará o seu "no céu com diamantes" e desde já vou avisando: não perdoarei quem não vier para fortalecer um lado.
akira - 05/06/2017.